10 março 2009

Quando se cansa


Quanta bobagem que eu sinto. Pura Criancice. Um amontoado de idéias impossíveis, amores pouco prováveis.
Realidade negada e criação do meu mundo perfeito. Imaginar, imaginar, imaginar... é só o que eu faço, acreditando ser a melhor maneira de me proteger de decepções futuras.

Não tento fingir que está tudo bem, eu sei que a possibilidade da mágoa é maior que a da felicidade.
Tento me distrair, e por vezes me iludo, mas não me engano. Minhas situações detalhadamente planejadas nunca acontecerão, mas eu me sinto bem em pensar que sim.

Tantas vezes sofrendo por deduções, interpretações do que não foi visto e nem dito. Tanta alegria a minha volta, pessoas contentes que se entregam aos seus sonhos, realizações descritas e percebidas a olhos nus.
É tanto... mas tanto, que nem sei como, nem quando, nem por que. Triste história do final previsível. Sem final.

Por Vanessa Sezini